Happy Learning Fernanda: Transição de Gênero

‘’Meu irmão é transgênero.’’

2018

Sim, eu tenho um irmão transgênero, e decidi trazer esse tema para o meu Happy Learning porque recentemente me vi pensando ‘’desde quando ele batalha e luta nessa transição?’’ 

 

Eu sei dizer o exato dia que a Jéssica nasceu: 30 de abril de 1995. Mas e o Diego? Que dia ele nasceu? Será que algo influênciou nessa decisão ou a incongrugência de gênero vem se expressando desde sua infância? Refleti bastante sobre esses questionamentos para montar minha apresentação e agora você vai poder um pouco mais sobre a transição do meu irmão nesse artigo.

realmente tive que voltar no tempo para conseguir analisar o todo da coisa e trazer informações relevantes e necessárias aos meus colegas.

Pois bem… vamos lá!

Os primeiros sinais que Jéssica não era feliz sendo Jéssica

Foi preciso voltar no tempo para conseguir analisar onde estavam os sinais. E revendo algumas fotos, lembrando de acontecimentos e da nossa infância, não foi uma tarefa difícil…

Logo me lembrei do primeiro corte de cabelo. Foi em um dia muito aleatório das nossa pré adolescência. Meus pais acharam que era apenas uma fase rebelde, mas não foi nada disso.

Logo após o cabelo, veio as roupas mais largas e até mesmo masculinas, depois foi a vez de seconder o volume dos seios com uma faixa nada confortável. Sua orientação sexual também foi um dos sinais e por último o seu nome social: Diego. 

Gênero se expressa na infância

Sim, é isso mesmo que você leu. É muito comum o gênero de uma pessoa ser expressada na infância. Mas isso não significa que todos percebem e entendem. Na verdade, nem os pais, nem professores e muito menos a criança consegue decifrar que a incongrungência de gênero está acontecendo.




Me lembrei de como meu irmão odiava brincar de boneca comigo, não deixava eu brincar de maquiar e muito menos gostava de assistir o mesmo estilo de filmes que eu.

Suas brincadeiras favoritas eram soltar pipa, andar de bicicleta na rua, jogar futebol e por aí vai. Por termos uma pouca diferença de idade (1 ano e 2 meses), eu queria que ele fizesse tudo comigo, mas ele não curtia e eu demorei para compreender isso.

“O sofrimento de uma criança trans pode ser imenso. Imagine só na escola, você se vestir como menina, viver como uma menina e na hora da chamada o professor ou a instituição se recusar a utilizar seu nome social, e te chamar pelo nome masculino ou te obrigar a utilizar um banheiro no qual você não se sinta adequada a utilizar.”

Nome Social

O nome social foi um dos últimos sinais que tivemos sobre o inicio da transição do Diego. Lembro do dia que vi a mudança acontecer no Facebook: Diego Andreatta. Muitos me perguntam como foi essa mudança e pra todos simplesmente foi natural. Parece que era só isso que faltava.

Pra quem não sabe, desde abril de 2019, pessoas travestis e transexuais passaram a ter um importante instrumento para serem reconhecidas oficialmente pelos seus nomes sociais perante os órgãos públicos e a sociedade em geral, por meio do documento de identidade (RG).

Muitas empresas adotaram com tranquilidade esse avanço.
Você, por exemplo, pode excolher como quer ser chamado em uma entrevista de emprego ou banco de talentos, você pode escolher como quer ser chamado dentro do aplicativo dos bancos, nome social nos documentos e cartões, crachás e assinatura de e-mails e por aí vai…

Mudança no ciclo social, profissional e familiar

Todos os nossos amigos se referem ao Diego usando seu nome e também o pronome ELE/DELE naturalmente. Não houve nenhuma mudança radical pra eles em relação a isso.

No trabalho, podemos dizer que foi ainda mais fácil, pois esse avanço e mudança do mundo só vem para agregar a forma como as empresas acolhem pessoas trans no mercado de trabalho. Então na empresa dele, por exemplo, todos chamam de Diego e se referem com pronome masculino. Cartão, crachá, assinatura de e-mail, VA e VR… tudo usando seu nome social.

Para a família, foi e está sendo mais difícil. Mas não pelo fato que não aceitamos ou não queremos compreender a sua transição. Mas sim pelo costume de chamar de Jé, por exemplo. Pra mim, essa parte e a mais complicada e difícil. Aos poucos sei que será automático se referir a ele como Diego, mas sendo a pessoa mais sincera do mundo, as vezes cometemos o erro de chamar de ela/filha/Jé e combinamos de tentar nos corrigir sempre que isso acontecer.

Uma coisa que me ajudou a gravar essa troca de nomes e pronomes foi trocar o nome do contato no celular. ☺

Hora de bater um papo mais técnico

Incongruência de gênero X Orientação sexual

Incongruência ocorre quando um indivíduo não se identifica com o gênero pelo qual foi determinado ao nascimento. Já a orientação sexual é representada pelo afeto, ou atração física, que uma pessoa sente pela outra, independentemente do gênero.

Uma coisa é uma coisa; outra coisa é outra coisa.

Uma pessoa que nasceu biologicamente mulher/feminino, por exemplo, pode vir a se identificar como homem/masculino, adotando aparência e comportamentos masculinos (portanto, considerado homem trans — por sua identidade de gênero), e, independentemente disso, esse homem trans pode se sentir atraído por um homem cis, por exemplo (e, por isso, considerado homossexual — por sua orientação sexual), ou mesmo se interessar por outros homens trans ou mulheres cis ou trans ou outras formas de identidade de gênero e de orientação sexual.

Portando… Meu irmão era uma mulher lésbica (antes da transição) e agora é um homem trans hétero.

Após o diagnóstico

A partir do momento que se reconhece a incongruência de gênero, inicia-se uma longa caminhada, em geral cheia de obstáculos. Durante o processo de transição de gênero, busca-se principalmente a adequação das características físicas do gênero de identificação. Para isso, podemos usar hormônios que estimulem o desenvolvimento desses traços e mesmo cirurgias para um efeito mais definitivo.

Hormonioterapia

As mudanças corporais são alcançadas após 2 ou 3 anos de tratamento.


Desenvolvimento corpo feminino
Usa-se estrogênio e, se necessário, um antiandrogênio para reduzir as características físicas estimuladas pela testosterona (exemplo: pelos faciais, ereção e espontânea, oleosidade da pele).

Desenvolvimento corpo masculino
Indica-se a testosterona. Entre os principais efeitos estão a suspensão dos ciclos menstruais, o aumento de pelos corporais e o ganho de massa muscular.

Cirurgias

MULHERES TRANS

Vaginoplastia: Consiste na retirada interna do pênis. A pele que recobre o pênis é colocada para dentro e se cria um espaço entre a bexiga e o reto.

Prótese mamária: Colocação de prótese mámaria/silicone.

HOMENS TRANS

Faloplastia: Cirurgia muito mais complexa e que consiste em muitos retalhos locais. Usa-se uma pele, geralmente da coxa, e com ela faz-se um tubo. Depois, é necessário criar uma uretra por onde vai sair a urina. Por se tratar de um procedimento muito complexo, é menos desejado pelos homens trans. Existem dois pontos que são determinantes para essa decisão: a cicatriz, que fica grande (da parte interna coxa até a região do joelho); e o fato de o pênis não ser funcional.

Mastectomia Masculinizadora: Retirada total das glândulas mamárias para adequação do tórax.

NO BRASIL

Existem cerca de 4 milhões de brasileiros trans e não binárias (Unesp 2020);

Em todo o país o acompanhamento é oferecido na rede de saúde privada e também pelo SUS (Sistema Único de Saúde);

Hormonioterapia – a partir ds 16 anos de idade. Cirurgias – a partir dos 18 anos de idade.


29 de Janeiro: Dia Nacional da Visibilidade Trans

Bandeira Orgulho Trans

A data é comemorada neste dia, pois em 29/01 de 2004 foi lançada a campanha “Travesti e Respeito”, do Programa Nacional de DST/Aids.

Mônica Helms

“Azul para meninos, rosa para meninas, branco para quem está em transição. E, para quem não se sente pertencente a qualquer gênero: isso significa que não importa a direção do seu voo, ele sempre estará correto!’’Mônica Helms, criadora da bandeira do Orgulho Trans, em 1999 

Resumo da ópera…

Você não precisa compreender o porque a pessoa não se identifica com o gênero que nasceu… 

ISSO NÃO CABE A VOCÊ!

Regiane | Fernanda | Diego

AMOR

Gratiluuuuuz!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *