Happy Learning Amine: A Jornada do Herói

Uma história em que um herói deixa sua terra natal para embarcar em uma aventura que surgiu de repente. Onde mistérios, perigos e surpresas o aguardam e irão testar seus limites para superar essa jornada épica. Isso parece familiar, não é? E definitivamente não é por acaso!

Esse tipo de estrutura narrativa ficou conhecida como “A Jornada do Herói”, e atualmente é amplamente utilizada nos mais diversos tipos de narrativas, desde histórias infantis, livros que se tornaram best-sellers até filmes da Marvel!

“A Jornada do Herói” é um termo cunhado por Joseph Campbell, apresentado pela primeira vez em seu livro “O Herói de Mil Faces”, de 1949.

Joseph John Campbell foi um mitologista, escritor, conferencista e professor norte-americano que ficou famoso pelos seus densos estudos sobre mitologia e religião comparada.

Dentre suas obras, a mais conhecida sem dúvida é o livro “O Herói de Mil Faces”, em que o autor apresenta sua teoria sobre uma estrutura narrativa que estaria presente em inúmeros mitos e contos, das mais diversas culturas. Essa teoria da jornada de um herói arquetípico, foi nomeada por ele de “A Jornada do Herói”, também conhecida como o “Monomito”.

A estrutura que Campbell descreve em seu livro contém 18 estágios separados em três atos.

Mas essa não é a estrutura narrativa mais usada. Na verdade, apesar da teoria de Joseph Campbell ter sido um estudo muito importante, não foi através dela que se popularizou o uso para criação de histórias, e sim a partir de suas releituras.

“A Jornada do Herói” teve diversas adaptações, mas com certeza a mais famosa é a que de fato popularizou o uso dessa estrutura para a escrita, roteirização e storytelling foi a baseada no livro “A Jornada do Escritor”, escrito por Christopher Vogler, em 2015.

Christopher Vogler é um roteirista de Hollywood que já trabalhou com marcas como Disney, Fox Pictures e Warner Bros. Graças ao seu profundo conhecimento como contador de histórias, Vogler, criou uma estrutura prática e simplificada com somente 12 etapas distintas, isso melhorou a aplicação no processo de construção de histórias e popularizou esse método.

Agora vamos entender melhor sobre a estrutura narrativa e as 12 etapas da aventura do herói, segundo Vogler:

1 – Mundo comum. O herói começa sua jornada em seu mundo comum.

2 – O chamado para a aventura. O herói recebe um chamado para se aventurar pelo desconhecido.

3 – Recusa do chamado. O herói recusa o chamado por insegurança ou obrigações que o mantém preso ao seu mundo.

4 – Encontro com o mentor. O herói aceita a missão e ao fazer isso se encontra com o mentor ou recebe ajuda sobrenatural.

5 – A travessia do primeiro limiar. É o momento em que o herói cruza a fronteira entre seu mundo comum e o novo mundo em que irá se aventurar.

6 – Provas, aliados e inimigos. Começam a surgir as primeiras provações que o herói deve enfrentar. Tendo a função de preparar o herói para o que está por vir.

7 – Aproximação da caverna secreta. Após passar pelos seus primeiros desafios, o herói tira um tempo para descansar e refletir sobre seus questionamentos iniciais.

8 – Provação difícil. É o desafio mais difícil da jornada do herói, em que o protagonista passa por um teste de vida ou morte.

9 – Recompensa. Depois de enfrentar a provação da sua vida, vencer a morte ou seu maior medo, é chegado o momento da recompensa.

10 – O caminho de volta. O herói deve voltar para o mundo comum, mas agora transformado pela jornada.

11 – Ressureição do herói. Um último teste de vida ou morte surpreende o herói e agora ele deve usar tudo que aprendeu para supera-ló.

12 – Regresso com o elixir. O herói termina sua missão e retorna para o mundo comum com o “elixir” da verdade e as respostas para os seus problemas.

Conclusão

A Jornada do Herói é uma estrutura narrativa cíclica, baseada em etapas que guiam a criação e construção de uma história que gira em torno de um herói arquetípico. Essa estrutura estava presente em diversos mitos antigos de inúmeras culturas e inspirou a grande parte das histórias que vemos atualmente.

Mas, tanto os mitos antigos, as histórias de super-heróis e até mesmo a estrutura da Jornada do Herói tem uma grande questão em comum: são baseadas nas nossas vidas! No nosso dia-a-dia, nossos ciclos de aventuras reais.

Joseph Campbell acreditava que um dos motivos para que culturas tão diferentes tivessem uma estrutura narrativa semelhante, era que todas essas histórias se baseavam na realidade, para criar ficções que encantassem e ensinamentos que fossem verdadeiros.

Isso significa que podemos ver a Jornada do Herói não somente nas histórias, mas nas nossas próprias vidas, já que as ficções na verdade são um reflexo de heróis e aventuras reais. E você? Em qual momento da sua jornada você está?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *